Inicio > Revista Gerência de Riscos e Seguros > Estudos > Porto Rico: perspectivas econômicas e comerciais
puerto-rico-perspectivas-economicas-comerciales-825x325

Porto Rico: perspectivas econômicas e comerciais

Porto Rico é um estado livre associado aos Estados Unidos, um território com status de autogoverno que determina o seu desenvolvimento. O setor externo sempre foi um dos mais ativos dentro de sua economia, e o investimento estrangeiro é uma mola fundamental do seu crescimento.

Localizado no nordeste do Caribe, sua população era de 3,16 milhões de habitantes em 2020, segundo dados do censo federal, um número que o Banco Mundial eleva para 3,22 milhões em 2022. Concentrados em sua maioria nas cidades (94% da população total), seus cidadãos contam com um nível de vida elevado comparado com as economias da América Central e o resto dos países do Caribe.

Principais objetivos de política econômica

Porto Rico vive um momento crucial para o seu futuro. O principal objetivo de sua política econômica é alcançar a estabilidade orçamentária e uma consolidação fiscal que possibilite reduzir consideravelmente os gastos públicos e o déficit, e equilibrar suas contas. O plano de estabilização fiscal e econômica aposta na criação de alianças público-privadas, voltadas para o desenvolvimento de projetos estratégicos que resolvam os problemas de financiamento.

Outra prioridade do país é a reforma energética. Devido às características geográficas da ilha, Porto Rico tem uma dependência excessiva do petróleo. No entanto, isso está mudando. A intenção do Governo é que 100% da energia gerada na ilha em 2050 provenha de fontes renováveis. De fato, este setor é prioritário no estabelecimento de alianças público-privadas que impulsionem o desenvolvimento de projetos que contemplem energias alternativas.

Chaves para o desenvolvimento econômico

O ano fiscal de 2019 terminou com um crescimento de 1,5% do PIB, segundo dados do ICEX, interrompendo as quedas da atividade econômica experimentadas em exercícios anteriores. Com a chegada de fundos federais, as projeções econômicas eram positivas, mas a irrupção do coronavírus truncou as expectativas.

De acordo com as estimativas mais recentes do Escritório de Análise Econômica (BEA, na sigla em inglês) do Departamento de Comércio dos EUA, sua economia cresceu 4% em 2021, uma evolução que ocorreu após a queda de 6,2% em 2020 e que reflete principalmente o crescimento de 11,2% nas despesas de consumo pessoal. Os últimos indicadores publicados pelo Banco Mundial colocam o crescimento do PIB de Porto Rico em 3,4% em 2022.

A região conta com uma economia avançada e altamente industrializada. O peso do setor primário é pequeno, e 85% dos alimentos consumidos na ilha vêm do exterior.

• Setor primário: o forte impacto das catástrofes
Segundo dados do ICEX, a produção agrícola bruta em 2021 atingiu 711 milhões de dólares, com um crescimento de 4,4% em relação ao ano anterior, mas sem uma tendência de alta clara devido à incidência dos desastres naturais, como furacões e tempestades, habituais na zona.

• Setor secundário: crescimento da indústria farmacêutica
Tem um grande valor para a região e é composto principalmente por empresas multinacionais atraídas pelos incentivos fiscais. Pequenas e médias empresas, por outro lado, têm um papel reduzido na indústria. Em 2020, a produção industrial chegou a US$ 51,269 bilhões. A importância da indústria reflete-se em seu peso no PIB, que foi de 48,13% em 2021. Nesta seção, é preciso destacar o auge da indústria farmacêutica: o país abriga 12 das 20 maiores multinacionais do setor e 13 das 20 principais empresas fabricantes de dispositivos médicos.

• Setor terciário: o potencial do turismo
Sua contribuição ao PIB foi de 51,1% em 2021, o que corresponde a US$ 54,512 bilhões. Dentro do setor terciário, o turismo tem um peso muito importante na economia porto-riquenha e conta com um grande potencial como motor de crescimento nos próximos anos. Em 2020, o número total de visitantes foi de 3,88 milhões, segundo o Fundo Monetário Internacional (FMI).

Grandes aliados internacionais

O setor exterior sempre foi um dos mais ativos dentro da economia porto-riquenha. Segundos dados do ICEX, em 2019 as exportações registradas totalizaram US$ 63,684 bilhões, um aumento de 5,1% em relação ao ano anterior, mas 7,406 bilhões menos do que em 2017. As importações totalizaram US$ 49,421 bilhões, o que representa um crescimento de 6,4% em relação a 2018.

No cômputo por setor, 99% das exportações de Porto Rico em 2019 corresponderam a produtos manufaturados, com os produtos químicos e farmacêuticos em primeiro lugar, representando 77,5% do total. Por outro lado, do total das importações do ano, 6,5% corresponderam a hidrocarbonetos e carvão e 6,6% a alimentos, enquanto os produtos químicos e farmacêuticos foram responsáveis por 48,4%.

De longe, seu principal parceiro comercial são os Estados Unidos, país de origem de 51,05% das mercadorias importadas e destino de 75,86% das mercadorias exportadas em 2020. No entanto, não se tratam realmente de exportações, e sim de intercâmbios comerciais, já que Porto Rico faz parte do território aduaneiro dos EUA. O resto do mundo foi responsável por 48,66% dos produtos importados, com os países europeus e asiáticos na liderança. No caso das exportações, 23,76% foram direcionados para países terceiros, principalmente países europeus.

Oportunidades de investimento

O investimento estrangeiro é um dos principais focos de interesse como estratégia de desenvolvimento. Em maio de 2019, foi aprovada a nova lei de Incentivos Econômicos para o Desenvolvimento de Porto Rico, a Lei número 60, de 1º de julho de 2019, com o fim de lançar uma proposta fiscal atraente para fomentar o investimento estrangeiro direto.

Segundo dados do ICEX, todos os setores estão abertos ao investimento estrangeiro, com exceção da exploração de campos petrolíferos, mineração e outras indústrias extrativas, reservadas ao governo de Porto Rico. Por outro lado, investimentos em setores como o aeronáutico, telecomunicações e energia, devem ser supervisionados pela Comissão de Investimento Estrangeiro dos EUA por motivos de segurança nacional.

As grandes oportunidades se concentram em empresas de setores muito estabelecidos, como a indústria farmacêutica, a biotecnologia e os dispositivos médicos. Também são de interesse os investimentos em infraestrutura, projetos energéticos e de fornecimento de água, bem como o setor aeronáutico, já que se pretende converter Porto Rico em um cluster regional.

Outro setor muito atrativo é o turístico, com um crescimento constante durante os últimos anos. Também foram detectadas oportunidades no setor das TIC (já que é uma boa plataforma para exportar esse tipo de serviços ao continente) e em educação (idiomas, universidades).

Além disso, 95% do território de Porto Rico foi designado como Zona de Oportunidade (Opportunity Zone) pelo governo federal dos EUA, que oferece privilégios fiscais a projetos de desenvolvimento econômico para atrair investimentos com o objetivo final de crescimento e criação de empregos que ajudem a impulsionar a economia local.

donwload pdf
Lições aprendidas com o derramamento de pellets

Lições aprendidas com o derramamento de pellets

Passaram-se dois meses desde o derramamento de pellets em praias espanholas e, enquanto os trabalhos de limpeza continuam, as consequências legais e o impacto na regulamentação internacional são alvo de debate no setor de transporte marítimo. O recente despejo de...

ler mais
O subscritor de riscos, o que você sabe?

O subscritor de riscos, o que você sabe?

Existe um profissional que se ocupa de avaliar os riscos de um seguro, buscando o equilíbrio entre garantir as necessidades do cliente e a rentabilidade do negócio. É o subscritor de riscos, uma função em alta no ambiente digital. Mas, o que há por trás do processo de...

ler mais
Uruguai: perspectivas econômicas e comerciais

Uruguai: perspectivas econômicas e comerciais

Depois de atingir, em 2022, um volume de investimento estrangeiro direto histórico, o Uruguai enfrentou, em 2023, uma seca sem precedentes que provocou certa desaceleração na primeira metade do ano que, apesar do impacto, terminou com um crescimento econômico de 1,3%....

ler mais