Home > Revista Gerência de Riscos e Seguros > Estudos > Como o ambiente industrial é protegido contra grandes tempestades?

Como o ambiente industrial é protegido contra grandes tempestades?

Poucas coisas são mais intimidadoras do que um céu se transformando em tempestade. O medo que isso causa não é à toa, pois seus efeitos podem causar sérios danos às pessoas e às infraestruturas. Juntamente com um especialista, analisamos seu impacto e a proteção em ambientes industriais.

Anaïs Brocheriou, especialista na implementação de soluções relacionadas com tempestades elétricas e queda de raios na TESICNOR, nos conta os segredos para entender os riscos presentes em ambientes industriais e as tecnologias que conseguem prevenir o impacto ou atenuar suas consequências.

Quando falamos sobre os principais danos causados pelas grandes tempestades, Brocheriou destaca cinco frentes:

  • Riscos de acidentes industriais. No setor eólico, por exemplo, as pás dos aerogeradores são muito afetadas pela queda de raios, pois nem sempre a resistência dos materiais é suficiente para suportar a força de seu impacto.
  • Integridade das pessoas. Sem ser particularmente frequente, podemos dar vários exemplos. “O acidente industrial que marcou todo o país na Espanha foi o caso do moinho de farinha de Huesca em 2005, quando um raio provocou uma explosão muito forte e cinco pessoas morreram”, lembra a técnica da TESICNOR.
  • Risco de explosão ou danos estruturais. Na América do Norte, 16 a cada 20 acidentes envolvendo tanques de armazenamento de petróleo são causados por raios. Em um estudo realizado ao longo de 40 anos e 242 acidentes em depósitos de armazenamento inadequado, 74% ocorreram em instalações petroquímicas e 80 casos foram causados por raios (33%).
  • Efeitos diretos. Quebra de materiais, curtos-circuitos e incêndios em estruturas.
  • Perdas financeiras. Na maioria dos casos, varia de milhares a dezenas de milhares de euros.

 

Impacto das tempestades na Espanha

De acordo com um relatório publicado pela Météorage, 2022 foi o segundo ano com mais impacto de raios já observado na Espanha desde que as medições foram iniciadas (mais de 440.000 raios nuvem-solo CG). As comunidades com maior índice de impactos de raios foram Aragão, Catalunha e Valência, seguidas pelas Ilhas Baleares, La Rioja e Navarra. Ao longo do ano, as tempestades foram “particularmente violentas, já que as camadas baixas ficaram superaquecidas durante as frequentes ondas de calor, o que reforçou o gradiente térmico na coluna atmosférica e, portanto, facilitou a convecção”, aponta o relatório. Anaïs Brocheriou acrescenta que “as tempestades estão mais precoces: antes se concentravam no verão, mas agora começam a partir do mês de março”.

DISTRIBUIÇÃO-SAZONAL-TEMPESTADE

A TESICNOR explica que os setores mais vulneráveis são aqueles cuja atividade é realizada em estruturas isoladas fora da cidade, com saliências metálicas altas e com risco de explosão. É o caso de indústrias como a petroquímica, petróleo e gás e processos elétricos sensíveis (celulose, vidro, automotivo ou agroalimentar).

O volume de danos que esse tipo de infraestrutura sofre por temporada é considerável, assim como seu custo econômico. “De algumas dezenas de euros (danos em pequenos materiais) até mais de um milhão em sinistros elétricos, passando por centenas de milhares de euros que acarretam a paralisação da produção de uma fábrica”, diz Brocheriou.

 

Avanços tecnológicos e desafios futuros

Quando perguntamos à especialista quais tecnologias de defesa são mais eficazes, ela nos diz que são os serviços de prevenção que complementam a proteção direta. “As tecnologias mais eficazes são aquelas que conseguem demonstrar a eficácia do sistema conforme descrito na norma IEC 627793 (Proteção contra raios. Sistemas de alerta de tempestade). Para analisar o desempenho medido para cada localidade, é realizado um estudo da eficácia do alerta para locais inadequados antes da produção do serviço”.

Como exemplo, ela nos conta sobre o trabalho da Météorage, especialista mundial em detecção de raios, que está “há 35 anos prestando serviços de alerta graças a uma rede de sensores instalados em toda a Europa Ocidental, onde os relâmpagos são detectados em tempo real e características como hora, geolocalização e intensidade em quiloamperes são registradas. O serviço de alerta tem como base a detecção física de um relâmpago na área de vigilância do local: quando o primeiro relâmpago cai na área, uma mensagem de início de alerta é enviada automaticamente para estabelecer procedimentos de segurança. Uma mensagem de fim de alerta é emitida após um período de tempo suficiente para coincidir com a ausência de atividade tempestade na área”, diz ela.

Os sistemas de alerta e proteção não requerem instalação de sensores nem manutenção, embora linhas de pesquisa estejam sendo iniciadas para suprir pequenas lacunas na rede de monitoramento. É o caso da antecipação de fenômenos severos por meio da análise do Raio Jump (células de tempestade). “O setor industrial enfrenta, há anos, um aumento da gravidade das tempestades, como mostra o trabalho do IPCC, e uma sazonalidade mais ampla das tempestades, que provavelmente se estenderá ao longo de todo o ano. O nosso desafio é estabelecer uma consciência social mais sensível e menos permissiva, crítica, se considerarmos que há negligência nas medidas de segurança tanto das pessoas como das áreas industriais”, conclui.

 

Colaborou neste artigo: Anaïs-Brocheriou-experta-soluciones-tormentas- eléctricas-rayos

Anaïs Brocheriou, especialista na implementação de soluções relacionadas com tempestades elétricas e queda de raios na TESICNOR.

 

donwload pdf
Resumo de quinta-feira – Jornadas Internacionais XXIX

Resumo de quinta-feira – Jornadas Internacionais XXIX

Quinta-feira, 6 de junho Eduardo Pérez de Lema, presidente da MAPFRE Global Risks, recebeu centenas de participantes que lotaram o grande auditório FYCMA em Málaga, cidade anfitriã das Jornadas Internacionais da empresa em seu décimo quinto aniversário. Após traçar um...

ler mais