Inicio > Revista Gerência de Riscos e Seguros > Notícias > Baterias de íon-lítio: jornadas técnicas da APICI

Baterias de íon-lítio: jornadas técnicas da APICI

Nesta quinta-feira, 18 de maio, a APICI, Associação de Profissionais de Engenharia Contra Incêndios, realizou na Fundación MAPFRE as Jornadas Técnicas sobre “Novos riscos de incêndio em baterias de íon-lítio: problemática em transportes, estacionamentos, armazéns e indústrias.”

Com um programa multidisciplinar nas temáticas tratadas e nos perfis profissionais que compareceram, as Jornadas Técnicas da APICI foram um sucesso. As 105 vagas da sala situada no central Paseo de Recoletos, número 23, foram excedidas.

Com as boas-vindas de Jesús Monclús, diretor da Área de Prevenção e Segurança Viária da Fundación MAPFRE, e a introdução à jornada com Andrés Pedreira, secretário-geral da APICI, começou a primeira sessão intitulada “Conhecendo o problema, proteção e intervenção”. O moderador, Eduardo García Mozos, vice-presidente da APICI e diretor de Engenharia da MAPFRE Global Risks, lançou ao público a pergunta: “O que estamos enfrentando quando se trata de baterias de íon-lítio? É a responsabilidade de cada um em nossa função na sociedade.” O programa do dia reuniu engenheiros, seguradoras, entidades de prevenção de riscos trabalhistas, responsáveis por medidas de segurança de veículos elétricos, órgãos de segurança contra incêndios, fabricantes de baterias e também fabricantes de sistemas de extinção de incêndios, entre outros. Todos, de uma maneira e de outra, usuários de baterias de íon-lítio.

Sandra Pérez, responsável pela CASE da CESVIMAP. revelou a situação do mercado dos veículos elétricos na primeira sessão. Nos últimos anos, o número de veículos 100% elétricos registrados aumentou notavelmente: em 2018, a marca totalizou 6.500 unidades, em comparação com o ano passado, em torno de 35.500. Segundo a profissional, este incremento deve-se não só ao aumento da consciência ecológica da sociedade, mas também às restrições de mobilidade nas regulamentações das grandes cidades.

Quanto aos componentes de um veículo elétrico, além de indicar que a bateria recarregável de um Tesla, por exemplo, contém até 7 mil pilhas, Sandra Pérez destacou a comparação entre um veículo elétrico e um de combustão. Além das diferenças no motor e no combustível, os veículos se comportam de forma diferente em caso de acidente e no contato com a água.


“Atualmente, não há tecnologias para apagar incêndios de baterias de íon-lítio, já que elas não precisam de oxigênio para que o fogo aumente”

A segunda intervenção foi realizada por Luis Sánchez, da JonhsonControl Tyco, que discutiu os sistemas de detecção e alternativas de gases de extinção. Em caso de incêndio, as células que compõem a bateria sofrem um aumento térmico, inflamam-se por contágio sem que seja detectada fumaça antes da chama e ocorre o chamado “Thermal Runaway”, fase que não pode ser evitada. “Quanto mais energia uma bateria armazenar, mais energia ela vai expelir.” Nestes casos, as pilhas que as compõem são ejetadas “como projéteis”, destacou uma das participantes do público, acrescentando que os sistemas de supressão de incêndio convencionais (água, pó, etc.) não são tão eficazes como quando se trata de íon-lítio. “Atualmente, não há tecnologias para apagar incêndios de baterias de íon-lítio, já que elas não precisam de oxigênio para que o fogo aumente.”

Na sequência, interveio Andrés Delgado, da Rosenbauer, fabricante de veículos destinados à extinção de incêndios, catástrofes ou proteção civil, para tratar em profundidade da extinção de incêndios realizadas por sua companhia. Independentemente da origem do incêndio (sobreaquecimento da bateria ou razões externas), a empresa projetou um dispositivo que penetra na bateria por meio de um “perfurador” que expele água, resfria a peça, contém a temperatura e termina extinguindo o incêndio. Enquanto a extinção com água no modo convencional consome mais de 30 mil litros, com seu método a empresa assegura consumir entre 600 e mil litros.

Bombeiros desempenham um papel fundamental na sociedade. Nestas Jornadas Técnicas, estavam presentes tanto o corpo de bombeiros de Madri, representado por Manuel Ferrer, quanto o de Barcelona, com Víctor Molinet. Manuel Ferrer destacou a virulência com a qual se expandem os incêndios onde estão envolvidas as baterias de íon-lítio. Isso significa, inevitavelmente, uma preocupação importante: “É problema para todos os habitantes, pois o tempo de evacuação é menor.” Diante desta situação, ele enfatiza a importância de “educar sobre a realização de cargas corretamente, não manipular as baterias, nem fazer cargas onde os bombeiros não possam acessar”, além de considerar que as pilhas das baterias são expelidas e provocam um incêndio onde caem. Convém estarmos cientes dos riscos aos quais estamos expostos. Por sua vez, Víctor Molinet reconhece que estão aprendendo a trabalhar com este novo desafio: incêndios aparentemente extintos que podem ser reativados após algumas horas, ou mesmo dias. Barcelona legislou sobre isso, definindo diretrizes claras como a sinalização concreta, corte elétrico geral na instalação da recarga e limitar os postos de carga entre andares inferiores e porão (primeiro subsolo).

A segunda sessão, intitulada “Prevenindo o risco em estacionamentos e meios de transporte” foi moderada por Fernando Vigara, vice-presidente da APICI. A primeira a intervir foi nossa engenheira especialista da MAPFRE Global Risks, Maite Queralt. “As baterias são muito positivas, mas existem riscos do ponto de vista da prevenção e do seguro.” As seguradoras precisam se concentrar em dados muito concretos como a fabricação da bateria, o aplicativo que usam, as oficinas de reparo e qual o armazenamento dessas baterias. “Segundo o uso das baterias, serão aplicadas diferentes medidas de segurança. A seguradora estudará caso a caso”, avaliando a possibilidade de limitar a soma segurada, as coberturas e a inclusão de franquia.

“Segundo o uso das baterias, serão aplicadas diferentes medidas de segurança. A seguradora estudará caso a caso”

A contribuição de Mónica Angulo, representando a Iberdrola, enquadrou-se em uma palestra intitulada “Desdobramento da rede de recarga e segurança em pontos de carregamento”. Ela explicou a instalação de pontos de recarga, mencionou a escassa legislação existente e abriu um interessante debate com a audiência discutindo a segurança humana em pontos de recarga onde a atividade do estabelecimento que oferece tais pontos não é complementar. Por exemplo, instalar pontos de carregamento próximo de postos de gasolina. Ambas as instalações contêm o risco de incêndio e, apesar de estarem localizadas em ambientes externos, não representam uma zona de segurança para as pessoas.

Nas últimas intervenções, participaram Javier Unanua, da ARUP, e Aurelio Rojo, presidente de honra da APICI. O primeiro ofereceu dados relevantes, como o desconhecimento da origem de 17% dos veículos elétricos que se incendeiam e 16% dos que se incendeiam o fazem durante o processo de carregamento. Ele deu o exemplo da Noruega, um país com uma alta porcentagem de veículos elétricos: “De 45 incêndios registrados, apenas um teve origem na bateria.” Também destacou que a frota de veículos elétricos na Espanha é muito mais nova do que a frota de veículos a combustão, por isso as estatísticas não podem ser comparadas. “Será preciso ver o que acontecerá no futuro quando a frota elétrica envelhecer”. Por sua vez, Aurelio Rojo comentou extensamente os “novos perigos em metrôs e as estratégias de segurança” e compartilhou sua experiência como profissional há 20 anos no metrô de Madri. Este meio de transporte foi inovado em 2003 com a instalação de sistemas de água nebulizada. Atualmente, é uma referência internacional para o controle de incêndios. Incêndios em vagões estão aumentando com o transporte de skates elétricos, bicicletas elétricas, cadeiras de rodas motorizadas, além de laptops e celulares. Como prevenção, em algumas cidades o acesso com patinetes foi proibido, por exemplo. Finalmente, Renfe Viajeros, representada por Eufemio Caballero, falou dos novos perigos no transporte ferroviário.

O encerramento das Jornadas Técnicas foi realizado pela atual presidente da APICI, Isolina Martínez, fazendo um breve resumo das diferentes intervenções e destacando a importante responsabilidade e os diferentes papéis que envolvem as baterias de íon-lítio.

 

Se você achou interessante, continue lendo… Mobilidade elétrica: garantia da transição energética no México.

donwload pdf
Travessia para um futuro sustentável: as cadeias de suprimento

Travessia para um futuro sustentável: as cadeias de suprimento

A transição energética está mudando os paradigmas das cadeias de suprimento em todo o mundo. Desde a reestruturação de modelos energéticos até reajustes nas estratégias logísticas, essa evolução apresenta grandes desafios e oportunidades para o setor. Essa revolução...

ler mais
Honduras: perspectivas econômicas e comerciais

Honduras: perspectivas econômicas e comerciais

Honduras está imersa em um plano de ação para promover um crescimento econômico sustentável que impacte positivamente seus compromissos com a cidadania, a melhoria de infraestruturas estratégicas e o aumento da resiliência à mudança climática. O desenvolvimento...

ler mais