Home > Revista Gerência de Riscos e Seguros > Notícias > Jornada Global Risks em Bilbao, Perspectivas do Mercado Global
Ruibal-Baquero-Garcia-Bilbao-Global-Risks-Jornada-Itsasmuseum

Jornada Global Risks em Bilbao, Perspectivas do Mercado Global

No dia 1.º de junho, a MAPFRE Global Risks celebrou com corretoras sua Jornada Global Risks, Perspectivas do Mercado Global. Desta vez, Bilbao foi a cidade que acolheu o evento, em um lugar emblemático que fala do passado industrial: o Itsasmuseum.

O encontro com as corretoras, cujo formato se caracterizou por ser uma conversa multidirecional, contou com as palestras de José Antonio Ruibal, CUO da MAPFRE Global Risks, Javier Olías, Diretor Geral Territorial Norte da MAPFRE, Unai Baquero, CUO da Nacional Re, e Juan Antonio García, KAM de Desenvolvimento de Negócio Global. Sem dúvida, foi uma oportunidade de compartilhar impressões entre seguradoras, resseguradoras e corretoras.

Juan Antonio García deu as boas-vindas ao evento e iniciou a sessão mencionando fatores determinantes do contexto atual: desafios como a inflação, a guerra na Ucrânia, a mudança climática e a tensão entre corretoras dos Estados Unidos e da China. Ao colocar o foco no âmbito segurador, “tínhamos muitos anos de mercado soft”. Embora isto possa ser comentado no debate, houve uma mudança de tendência na qual podemos dizer que ainda estamos, com redução de capacidade, aumento de preços, companhias retiradas do mercado espanhol e setores complexos, como o da alimentação”.

Capacidade e Riscos da natureza

Unai-Baquero-CUO-Nacional-ReA visão sobre o resseguro foi feita por Unai Baquero: “No resseguro não vemos a parte micro, mas na análise macro das carteiras temos uma noção sobre como as coisas estão indo. Nas renovações feitas de 22 a 23, observamos o efeito dos riscos da natureza”.

O setor tem uma média de 110 bilhões de dólares segurados de perdas neste segmento. Mais precisamente, 2022 foi o quarto pior da história, com 125 milhões, desde que se têm registros. Apesar de tudo, “no mercado segurador e ressegurador temos o alerta ativo nos eventos secundários da natureza, que são os que aumentaram. Temos uma capacidade de reação muito boa.”

A capacidade do mercado ressegurador tem sido mais restritiva, pois é limitada e, nos últimos anos, o prognóstico era de perdas maiores. Para aumentar essa capacidade de risco, “há uma série de capitais alternativos (os ILS ou Insurance Linked Securities) que se mantiveram constantes até 2022. Com os efeitos inflacionários e os eventos da natureza, eles ficaram retraídos. Essa capacidade alternativa retornou aos investimentos generalistas para voltar ao status quo anterior.”

Desafios

No mesmo ano, em 2022, o mercado de resseguro começou a ver surtos de ciclo suave, sob a perspectiva do resseguro. Segundo Baquero: “O risco de uma cauda longa, como as consequências da Covid, já foi removido da equação. Agora entendemos que será exigido aos Conselhos presença com os danos cibernéticos porque haverá nova sinistralidade. Então, para evitar problemas, vamos nos precaver. Primeiro as resseguradoras. Ou seja, ou atendemos ou nos precavemos.”

Sobre os novos riscos, Juan Antonio, que foi o moderador, disse: “Não é possível que a indústria seguradora não acompanhe em algo tão necessário e aceito socialmente: transformação energética, reciclagem, economia circular, riscos cibernéticos… Estamos à altura?”

Jose-Antonio-Ruibal-CUO-MAPFRE-Global-RisksJosé Antonio Ruibal comenta que há uma “incerteza enorme” e que os riscos cibernéticos “terão muito mais prêmios do que o risco de incêndio”. Com respeito a assegurar a instalação de energias renováveis, ele concluiu que as seguradoras são necessárias, e para isso nossos engenheiros analisaram os riscos, mas também houve muitos sinistros. Para evitá-los, recomendações são feitas, mas precisamos oferecer cobertura. Neste caso, o trabalho da corretora é fundamental.

Os riscos políticos como terrorismo e motins, entre outros, também foram apresentados no debate, e como há restrições, principalmente na América Latina, pelas mudanças de governo. “Não há capacidade no momento. É verdade que ocorrem, normalmente, em grandes cidades e não na área rural, mas às vezes tratamos o problema como se fosse geral.”

Relação com as corretoras

Ao final da sessão, uma mensagem clara dedicada às corretoras foi dita: “Este negócio precisa das corretoras e gostamos disso. Gostamos de promover a relação com as corretoras, por exemplo, nas jornadas Global Risks. “Se uma empresa faz as coisas bem, ela precisa contá-las. O mercado precisa entender isso para manter os relacionamentos”, disse um convidado. José Antonio Ruibal corroborou: “Que a empresa tenha relação com o segurado não é tão habitual, mas nós sempre incentivamos muito isso. Sempre respeitando o papel das corretoras, pois são fundamentais, já que o cliente, por si só, não pode comunicar-se com o mercado para encontrar capacidade. É preciso reconhecer que, muitas vezes, as corretoras são uma ponte entre a empresa e o segurado”.

 

Continue a ler… As seguradoras diante dos riscos de baterias de íon-lítio

donwload pdf
Resumo de quinta-feira – Jornadas Internacionais XXIX

Resumo de quinta-feira – Jornadas Internacionais XXIX

Quinta-feira, 6 de junho Eduardo Pérez de Lema, presidente da MAPFRE Global Risks, recebeu centenas de participantes que lotaram o grande auditório FYCMA em Málaga, cidade anfitriã das Jornadas Internacionais da empresa em seu décimo quinto aniversário. Após traçar um...

ler mais