Inicio > Revista Gerência de Riscos e Seguros > Notícias > Como funcionam os seguros em caso de guerra?
como-funcionan-los-seguros-en-guerras-huelgas

Como funcionam os seguros em caso de guerra?

No contexto da guerra da Rússia e da Ucrânia, nosso colega Javier Caamaño Malagón perguntou-se como os seguros agem em uma situação de conflito bélico. Para conhecer a atualidade, faça uma viagem pela história.

Recuperamos dois interessantes artigos publicados na MAPFRE com a ajuda de Javier Caamaño Malagón. O primeiro faz um percurso pela história no contexto do Século XIX, quando o mercado segurador tomou maior impulso no comércio generalizando a cobertura do transporte de mercadorias, especialmente o marítimo. “Foi aqui que as seguradoras começaram a se proteger dos riscos da guerra e passaram a trabalhar com eles, com coberturas específicas caso os danos ou o afundamento de um navio tivessem sido causados por um ataque militar de um país inimigo”, aponta Caamaño.

No Século XX, o seguro encontrou-se em dupla situação: por um lado, consolidou-se com forte crescimento até se tornar “um dos elementos básicos de inúmeros setores da economia”. Por outro lado, ao oferecer proteção contra os riscos de pessoas e empresas, “viu-se na encruzilhada do que fazer quando um deles era potencialmente tão destrutivo”.

Clique no link para saber como surge o primeiro acordo para se proteger de uma grande guerra, por que 1938 foi fundamental no setor segurador e os problemas derivados da exclusão da guerra.

O segundo artigo refere-se ao transporte internacional, pois este é um setor no qual o seguro está muito presente, garantindo seu funcionamento diante dos riscos de violência armada hoje em dia. No entanto, isso nem sempre foi assim. Segundo relata Caamaño em seu texto, “no início do Século XIX, as guerras napoleônicas causaram tantas perdas que as seguradoras começaram a repensar como trabalhar com estes riscos, cobrindo-os de maneira específica ou excluindo alguns casos. O setor foi crescendo e internacionalizando-se e, diante da necessidade de padronização, em 1906 as grandes seguradoras britânicas, as que dominavam então este mercado, escreveram as cláusulas de “Guerra e Greves”, que foram adotadas globalmente e que, com poucas atualizações, se mantiveram até os dias de hoje”.

Conheça as zonas de risco, as exclusões das apólices e as sanções.

Javier-Caamano-Malagon

 

Javier Caamaño Malagón – Copywriter at MAPFRE

donwload pdf
Lições aprendidas com o derramamento de pellets

Lições aprendidas com o derramamento de pellets

Passaram-se dois meses desde o derramamento de pellets em praias espanholas e, enquanto os trabalhos de limpeza continuam, as consequências legais e o impacto na regulamentação internacional são alvo de debate no setor de transporte marítimo. O recente despejo de...

ler mais
O subscritor de riscos, o que você sabe?

O subscritor de riscos, o que você sabe?

Existe um profissional que se ocupa de avaliar os riscos de um seguro, buscando o equilíbrio entre garantir as necessidades do cliente e a rentabilidade do negócio. É o subscritor de riscos, uma função em alta no ambiente digital. Mas, o que há por trás do processo de...

ler mais
Uruguai: perspectivas econômicas e comerciais

Uruguai: perspectivas econômicas e comerciais

Depois de atingir, em 2022, um volume de investimento estrangeiro direto histórico, o Uruguai enfrentou, em 2023, uma seca sem precedentes que provocou certa desaceleração na primeira metade do ano que, apesar do impacto, terminou com um crescimento econômico de 1,3%....

ler mais