Home > Revista Gerência de Riscos e Seguros > Notícias > APICI. “Prevenir o risco em estacionamentos e transportes”

APICI. “Prevenir o risco em estacionamentos e transportes”

Outros perfis profissionais participaram da segunda sessão da Jornada APICI sobre os riscos das baterias de íons de lítio. Todos eles contribuíram com os seus conhecimentos e experiência perante uma plateia que lotou a sala localizada na Fundación MAPFRE.

A segunda sessão, intitulada “Prevenindo o risco em estacionamentos e meios de transporte” foi moderada por Fernando Vigara, vice-presidente da APICI. A primeira a intervir foi nossa engenheira Maite Queralt, especialista da MAPFRE Global Risks.

“As baterias são muito positivas, mas existem riscos do ponto de vista da prevenção e armazenamento, como também do seguro.” O principal risco é o incêndio, principalmente pela separação entre células que não impede o descontrole térmico que o incêndio provoca. E lista as diferentes fases que foram abordadas no artigo anterior:

  • Fase 1: liberação de gases tóxicos.
  • Fase 2: liberação de calor.
  • Fase 3: os materiais combustíveis geram o aquecimento das células e, portanto, a combustão da bateria.

Mas quais são as causas de falha da bateria? A realidade é que são muito variadas e numerosas: desde o design, a ausência de material homologado, se houve manipulação da bateria ou algum impacto, até o envelhecimento, as recargas rápidas ou as condições meteorológicas do local de armazenamento.

Precisamente, o papel das seguradoras não é trivial. Quais aspectos são considerados para segurar veículos que contenham baterias de íons de lítio?

  • A fabricação da bateria de íons de lítio.
  • Aplicação e utilizações/oficinas de reparação.
  • Armazenamento das baterias de íons de lítio. Abaixo de 50% da bateria, o risco de incêndio é reduzido. Se não estiverem ligadas, será difícil identificar a origem do incêndio.

Apesar de conhecerem estes aspetos, enfrentam problemas como a diversidade de utilizações que o segurado realiza e em que condições, a capacidade de armazenamento da própria energia e, é claro, a falta de regulamentação ou regulamentos. Neste sentido, como também foi mencionado em palestras anteriores, uma grande dificuldade é o controle e extinção de incêndios e os escassos protocolos de atuação. Por isso, as entidades seguradoras podem recorrer à limitação do montante segurado ou coberturas e/ou à inclusão de uma franquia. “Segundo o uso das baterias, serão aplicadas diferentes medidas de segurança. A seguradora estudará caso a caso.”


Mónica Angulo, da Iberdrola

Destacou-se em uma palestra intitulada “Implementação da rede de recarregamento e segurança em ponto de carga.” Ela explicou a instalação de pontos de recarga, mencionou a escassa legislação existente e abriu um interessante debate com a plateia, discutindo a segurança humana em pontos de recarga onde a atividade do estabelecimento que oferece tais pontos não é complementar. Por exemplo, instalar pontos de recarga próximos de postos de gasolina. Ambas as instalações têm o risco de incêndio e, apesar de estarem localizadas em ambientes externos, não são uma área de segurança para as pessoas.


Javier Unanua, da ARUP

Durante sua apresentação, o especialista da ARUP, que presta serviços profissionais de engenharia, design, planeamento, gestão de projetos e consultoria, mostrou uma série de dados que ilustraram a situação atual. Dos veículos elétricos que pegam fogo, em 17% dos casos a origem é desconhecida. No entanto, sabemos que 16% dos incêndios em veículos elétricos acontecem no processo de recarga. O que se vê é que há outro tipo de incêndio e quando se devem às baterias. Deu o exemplo da Noruega: “Este país tem uma elevada percentagem de veículos elétricos, mas de 45 incêndios, apenas um causado pela bateria.”

Na sua exposição, mencionou que as comparações estatísticas entre veículos de combustão e veículos elétricos não devem ser consideradas como dados absolutos, uma vez que “a frota de veículos elétricos é muito mais recente, razão pela qual teremos que ver o que acontece no futuro, quando a frota envelhecer. Hoje em dia, os incêndios nos veículos são mais comuns nos convencionais, mas a idade das baterias deve ser considerada, portanto, não podem ser comparadas com certeza.”

Referiu-se também ao conceito “Resistência ao fogo” e propôs: “Deve ser atualizado porque se torna obsoleto quando os veículos elétricos aumentam, uma vez que se baseia em veículos a combustão.”

 

Aurelio Rojo, presidente de honra da APICI

“O que acontece quando ocorre um incêndio em um vagão do metrô?” Assim começou a palestra de Aurelio Rojo, que trouxe a sua experiência ao instalar água nebulizada no Metrô de Madrid há 23 anos. “O método de extinção com água nebulizada consiste na expulsão no próprio vagão e também nos arredores e a sua utilização pode ser executada pelos próprios usuários do metrô.”

Objetos (computadores, celulares, altofalantes…) ou veículos elétricos (skates elétricos, bicicletas elétricas) que contêm bateria de íons de lítio são cada vez mais introduzidos nos vagões, portanto, tornando-os suscetíveis de incêndio. “Em algumas estações do metrô, como no de Sevilha, o acesso com skates foi proibido.”

A fumaça é um dos principais riscos e com esta implementação demonstrou-se que os sistemas a bordo com água nebulizada continham os incêndios no metrô e, além disso, não se reproduziam. Desde 2003, o Metrô de Madrid contém estes sistemas e é referência internacional. “Esta é uma referência diária porque os diferentes incêndios são controlados com esta água.”


Isolina Martínez, Presidente da APICI: As conclusões

A presidente encerrou o dia agradecendo aos convidados e participantes e quis fazer uma compilação dos aspectos mais relevantes que foram tratados. No seu preâmbulo, reconheceu que a necessidade de energia é cada vez maior, e o armazenamento que se procura, cada vez menor, mas com grande capacidade. “Os novos modelos de mobilidade vão continuar existindo e, por isso, é necessário adaptar-se às novas circunstâncias.”

Para resumir:

  • Problemática do armazenamento de energia das baterias de íons de lítio, que são utilizadas em todo o tipo de aparelhos.
  • Causas de danos pessoais e materiais.
  • Os veículos elétricos representam uma percentagem significativa de incêndios e sua extinção é preocupante, uma vez que são difíceis de extinguir devido aos seus gases.
  • A energia restante é um dos problemas.
  • O corpo de bombeiros deve ter formação e conhecimento.
  • Os motivos do incêndio das baterias.
  • Os fabricantes de baterias devem ter uma qualidade de fabricação superior.
  • Os fabricantes devem ter cuidado com a localização dessas baterias. Tal como acontece com outros objetos que as incluem.
  • Os fabricantes de extintores de incêndio também devem estar comprometidos em se atualizar.
  • E, da mesma forma, as seguradoras.

 

Continue a ler… APICI. “Conhecendo o problema, a proteção e a intervenção”

donwload pdf
Resumo de quinta-feira – Jornadas Internacionais XXIX

Resumo de quinta-feira – Jornadas Internacionais XXIX

Quinta-feira, 6 de junho Eduardo Pérez de Lema, presidente da MAPFRE Global Risks, recebeu centenas de participantes que lotaram o grande auditório FYCMA em Málaga, cidade anfitriã das Jornadas Internacionais da empresa em seu décimo quinto aniversário. Após traçar um...

ler mais