Inicio > Revista Gerência de Riscos e Seguros > Estudos > República Dominicana: perspectivas econômicas e comerciais

República Dominicana: perspectivas econômicas e comerciais

A República Dominicana mostrou um sólido desempenho econômico nos últimos anos, experimentando um crescimento de 12,3% em 2021, um dos melhores na América Latina após a crise global de 2020. Além disso, sua economia representa quase metade do produto interno bruto da Bacia do Caribe.

A estrutura econômica da República Dominicana sofreu uma mudança significativa nos últimos tempos, passando de uma economia dominada pelos setores primário e secundário para uma economia fundamentalmente terciária.

Em 2021, segundo os dados publicados pelo ICEX, os serviços representaram 60% do PIB (com 83% do total de empregos que oferece à sociedade), graças à implementação de atividades como as comunicações, o turismo, a construção ou o transporte.

Isso levou a uma mudança nos hábitos de consumo e no estilo de vida dos dominicanos, cujo gasto em comunicações supera, hoje, o valor da produção agropecuária.

O auge do turismo

O turismo tornou-se um pilar fundamental para o desenvolvimento econômico da República Dominicana, tanto em termos de produção e emprego quanto na geração de divisas.

De acordo com os dados publicados no Relatório Econômico e Comercial da República Dominicana, atualizado pelo ICEX em fevereiro de 2023, a oferta de acomodações para turistas em 2020 superou 83.000 quartos.

Apesar das consequências da pandemia, o país trabalhou para se recuperar atingindo um recorde histórico em 2022 com a chegada de 7,2 milhões de turistas por via aérea e 1,3 milhão em cruzeiros.

O relatório do ICEX indica que o turista estrangeiro tem uma estadia média de 8,3 noites e revela que as principais áreas de destino são Punta Cana-Bávaro, La Romana, Puerto Plata e Samaná. Por nacionalidades destacam-se os americanos e canadenses (59%), seguidos de alemães, russos, espanhóis e franceses. Com a intenção de continuar a ir além, o Gabinete de Turismo tem como objetivo alcançar 10 milhões de visitantes este ano.

Impulso estrangeiro

O investimento estrangeiro direto (IED) também foi um fator fundamental no crescimento econômico da República Dominicana. Em 2021, segundo dados do Banco Central da República Dominicana, atingiu um valor de 3,102.1 bilhões de dólares, o que equivale a 1,2 vezes o déficit de conta corrente do país.

Durante o período de janeiro a setembro de 2022, conforme indica o relatório publicado pelo ICEX, o IED aumentou 32% em relação ao mesmo período do ano anterior, impulsionado principalmente pelos setores de comunicações, comércio, zonas francas e turismo.

Nos últimos seis anos, o IED atingiu um acumulado histórico de 17,19 bilhões de dólares, acentuando-se investimentos significativos nos setores de turismo, imobiliário e mineração.

No âmbito do comércio e indústria, o relatório destaca os investimentos em cimenteiras, cerveja, siderurgia e bebidas. Também, o setor hoteleiro nas zonas costeiras do Leste, Norte e Santo Domingo, bem como a mineração do ouro e níquel. O setor imobiliário também teve um forte impulso.

Por sua vez, as Zonas Francas atraíram investimentos na fabricação de material médico descartável, produtos farmacêuticos, confecção têxtil e calçados. Além disso, o ICEX observou um crescente interesse em investimento em parques de energia renovável e centros comerciais, com novos supermercados e shopping centers na capital e Santiago.

Em relação aos países emissores de IED em 2022, os EUA foram responsáveis por fluxos brutos de US$ 1,074 bilhão, seguidos pelo México (US$ 290 milhões), Canadá (US$ 265 milhões), Espanha (US$ 248 milhões) e Ilhas Virgens Britânicas (US$ 114 milhões), enfatizando-se que as posições na classificação dos países emissores podem variar consideravelmente de ano para ano.

Possibilidades comerciais

O Relatório Econômico e Comercial publicado pelo ICEX destaca os setores tradicionais de exportação, como máquinas elétricas e mecânicas, materiais de construção, sistemas de refrigeração, produtos farmacêuticos, dentre outros. Além disso, determina que o setor energético, especialmente as energias renováveis, apresenta oportunidades interessantes para o desenvolvimento de projetos. As Zonas Francas e Especiais também são uma opção a ser considerada para a fabricação de diversos produtos, aproveitando os acordos de livre comércio que o país tem com diferentes regiões.

No âmbito de serviços, destacam-se substancialmente aqueles relacionados com o turismo, como a assistência médica, a restauração de elementos históricos e a oferta cultural. Além disso, encontram-se os serviços de consultoria e apoio para empresas, municípios e entidades, que abrangem a gestão de redes, a telemetria, os sistemas de cobrança de água e luz, a arrecadação municipal, bem como a segurança informática, a saúde e a reforma institucional.

Por outro lado, os setores de Engenharia e Supervisão também são atraentes para os analistas, especialmente aqueles projetos financiados pela União Europeia (UE) e o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), já que oferecem maior certeza em termos de finalização e pagamento.

Oportunidades de investimento

Quanto às oportunidades de investimento, o Relatório Econômico e Comercial publicado pelo ICEX concentra-se fundamentalmente nas seguintes indústrias:

  • Turismo. Os setores turístico-hoteleiros da costa e da capital são os mais atrativos para o IED, liderados por redes espanholas com 47.148 quartos em 92 hotéis.
  • Energias renováveis. O investimento em energias renováveis teve um impulso em 2007, mas depois perdeu força devido a reduções fiscais e congelamento dos PPA (contratos de fornecimento de longo prazo ou Power Purchase Agreements). No entanto, a mudança de governo reativou o setor com novas concessões de PPA e projetos de cogeração de biocombustíveis e lixo.
  • Zonas Francas e Especiais. As 79 Zonas Francas e Especiais, fundamentalmente na zona fronteiriça com o Haiti, oferecem oportunidades para a fabricação de diversos produtos, aproveitando os acordos de livre comércio com a Europa, EUA, e a Caricom.
  • Alianças Público-Privadas. A nova Lei e Regulamento de Alianças Público-Privadas aprovada em 2020, juntamente com a vontade do governo, oferecem inúmeras oportunidades para grandes projetos de infraestrutura.
donwload pdf
Nicarágua: perspectivas econômicas e comerciais

Nicarágua: perspectivas econômicas e comerciais

Com perspectivas de estabilidade econômica, muito marcadas pelo consumo privado, e com o objetivo de continuar ampliando seu comércio e projeção internacional, a Nicarágua enfrenta o desafio de consolidar seu programa de energia renovável e continuar criando emprego...

ler mais
Lições aprendidas com o derramamento de pellets

Lições aprendidas com o derramamento de pellets

Passaram-se dois meses desde o derramamento de pellets em praias espanholas e, enquanto os trabalhos de limpeza continuam, as consequências legais e o impacto na regulamentação internacional são alvo de debate no setor de transporte marítimo. O recente despejo de...

ler mais
O subscritor de riscos, o que você sabe?

O subscritor de riscos, o que você sabe?

Existe um profissional que se ocupa de avaliar os riscos de um seguro, buscando o equilíbrio entre garantir as necessidades do cliente e a rentabilidade do negócio. É o subscritor de riscos, uma função em alta no ambiente digital. Mas, o que há por trás do processo de...

ler mais