Inicio > Revista Gerência de Riscos e Seguros > Estudos > Guatemala: perspectivas econômicas e comerciais
Guatemala_Perspectivas_economicas-y-comerciales_825x325_2

Guatemala: perspectivas econômicas e comerciais

Após as eleições realizadas em 2023, Bernardo Arévalo foi investido presidente da Guatemala em 15 de janeiro, diante de um país que enfrenta o desafio de mitigar a lacuna de desigualdade econômica com perspectivas positivas de crescimento e desenvolvimento.

Conhecido como o país da eterna primavera por suas temperaturas quentes e perenes, a Guatemala tem uma localização geográfica excepcional, com grandes recursos naturais ainda inexplorados. Conta com uma população estimada de 17.357.886 pessoas (2022) segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE) da região. O índice de analfabetismo, apesar de ter diminuído consideravelmente nas últimas décadas, situa-se em 18,5%. A redução dessa porcentagem é um objetivo prioritário da UNESCO em colaboração com o Comitê Nacional de Alfabetização (CONALFA), que busca dar continuidade às atividades de aprendizagem no país.

Segundo os últimos dados divulgados pelo Banco Mundial, os indicadores econômicos da região em 2022 refletiam:

  • PIB (a preços atuais): 95 bilhões de dólares
  • Aumento do PIB (% anual): 4,1
  • Inflação (% anual): 6,9

Um balanço publicado pelo Fundo Monetário Internacional em março de 2023, indicava que, embora a estabilidade econômica da região tenha sido mantida apesar de um contexto mundial desfavorável, os principais gatilhos para a recuperação inflacionária em 2022 foram fatores externos, com uma tendência que ainda não está em declínio – embora a instituição esteja confiante de que começará a reverter em breve.

O PIB potencial (que se refere à estimativa da quantidade máxima de bens e serviços finais que uma economia pode produzir operando em sua capacidade máxima) na Guatemala é de 3,5%, resultante das últimas projeções do FMI:

Gráfico

Maior economia da América Central

A Guatemala é, em termos de atividade econômica, a maior economia da América Central, segundo o último relatório publicado pelo ICEX, representando cerca de 39% do PIB regional. As perspectivas de longo prazo são consideradas positivas em termos gerais, embora sua economia dependa significativamente dos EUA, país destino de um terço das suas exportações e principal origem do Investimento Estrangeiro Direto (IED), que em 2022 representou 1,4% do PIB.

Segundo o relatório de Política Monetária publicado pelo Banco da Guatemala em outubro de 2023, prevê-se taxas de crescimento positivas em todas as atividades econômicas, destacando-se, dentre outras:

  • Comércio e reparo de veículos (ligado ao aumento esperado da produção das atividades agrícolas e industriais, bem como ao aumento estimado da importação de bens).
  • Indústrias transformadoras (principalmente impulsionadas pela fabricação de cimento, produtos plásticos, móveis e papel).
  • Atividades imobiliárias (associadas a perspectivas favoráveis na construção de moradias).
  • Atividades financeiras e de seguros (influenciadas pelo aumento previsto no crédito ao setor privado, que influenciaria positivamente as atividades de bancos e financeiras).

Balança comercial equilibrada

Os valores mais recentes publicados pelo Banco de Guatemala, em novembro de 2023, revelaram que as exportações totais do Comércio Geral totalizaram 13 bilhões de dólares, queda de 9,3% em relação ao ano anterior. Os produtos mais importantes com base em sua participação no valor total foram:

  • Artigos de vestuário (10,6%)
  • Gorduras e óleos comestíveis (7,4%)
  • Café (7,1%)
  • Banana (7,1%)

Os principais destinos das exportações, segundo sua participação, foram:

  • América Central (36%)
  • Estados Unidos (30,9%)
  • Zona do euro (9,7%)
  • México (4,7%)

Quanto às importações realizadas no mesmo período, na Guatemala foi registrado um total de 27,899 bilhões de dólares, 6,1% menos que no ano anterior. A queda foi marcada pela variação negativa observada em matérias-primas e produtos intermediários para a indústria, com queda de -17,7%.

Os principais parceiros de negócios foram:

  • Estados Unidos (33,7%)
  • China (13,6%)
  • América Central (11,4%)
  • México (11,1%)

Impulsionando os negócios externos

Como revela o ICEX, a Guatemala tenta facilitar o ambiente de negócios para atrair maiores investimentos. Nesse sentido, além de contar com a Janela Ágil de Importações (sistema que permite obter eletronicamente os requisitos de importação), em 2022 implementaram a Janela Única de Comércio Exterior, a fim de agilizar os trâmites das exportações.

As oportunidades de negócio em território guatemalteco concentram-se em seu processo de industrialização, que favorece a chegada de produtos de alto valor agregado, como por exemplo:

  • Máquinas e bens de equipamento (construção, obras públicas e transportes).
  • Setor de engenharia e consultoria (modernização do Estado, educação e capacitação).
  • Materiais de construção e equipamentos.
  • Bens de consumo (especialmente roupas e calçados) e produtos alimentícios.
  • Equipamento para projetos ambientais e geração de energia renovável.
donwload pdf
Lições aprendidas com o derramamento de pellets

Lições aprendidas com o derramamento de pellets

Passaram-se dois meses desde o derramamento de pellets em praias espanholas e, enquanto os trabalhos de limpeza continuam, as consequências legais e o impacto na regulamentação internacional são alvo de debate no setor de transporte marítimo. O recente despejo de...

ler mais
O subscritor de riscos, o que você sabe?

O subscritor de riscos, o que você sabe?

Existe um profissional que se ocupa de avaliar os riscos de um seguro, buscando o equilíbrio entre garantir as necessidades do cliente e a rentabilidade do negócio. É o subscritor de riscos, uma função em alta no ambiente digital. Mas, o que há por trás do processo de...

ler mais
Uruguai: perspectivas econômicas e comerciais

Uruguai: perspectivas econômicas e comerciais

Depois de atingir, em 2022, um volume de investimento estrangeiro direto histórico, o Uruguai enfrentou, em 2023, uma seca sem precedentes que provocou certa desaceleração na primeira metade do ano que, apesar do impacto, terminou com um crescimento econômico de 1,3%....

ler mais