Home > Revista Gerência de Riscos e Seguros > Estudos > A eletrificação do transporte marítimo
electrificación-transporte-marítimo

A eletrificação do transporte marítimo

Com o objetivo internacional de alcançar a neutralidade de carbono até a metade do século, os principais setores da economia, como a indústria naval, tentam se adaptar a esse desafio superando a dependência de combustíveis fósseis e adotando tecnologias elétricas.

Seguindo o objetivo internacional de alcançar a neutralidade de carbono até 2050, os principais setores da economia tentam se adaptar a esse desafio eliminando a dependência de combustíveis fósseis, como carvão ou petróleo. Para isso, estão adotando tecnologias elétricas que lhes permitam continuar competitivos no mercado, sem deixar de lado a transição para uma economia mais sustentável e amigável com o meio ambiente.

A indústria naval, uma das mais importantes do mundo devido ao seu impacto na crescente logística global e, portanto, na economia global, está dando grandes passos para transformar sua mecânica tradicional.

12% dos navios construídos já utilizam fontes alternativas

Uma das áreas que teve uma rápida adaptação aos novos sistemas energéticos foi a rede portuária, primeira infraestrutura do setor naval a sentir o avanço da eletrificação com as vantagens que ela acarreta:

  • Redução de custos no longo prazo
  • Redução de gases do efeito estufa
  • Minimização de ruídos

Com um pouco de atraso, e um potencial ainda não explorado, o transporte marítimo dá seus primeiros passos. Atualmente, a grande maioria dos navios, tanto de carga quanto de passageiros, navega utilizando combustíveis fósseis, ainda que pouco a pouco estejam integrando elementos elétricos. Esta utilização é feita de forma parcial e não totalmente sustentável, pois os grandes navios mercantes incluem métodos de propulsão por eletricidade gerada por motores a diesel ou GNL, o que os torna veículos híbridos. Embora ainda haja um longo caminho a percorrer, segundo um relatório publicado pela consultoria DNV sobre transição energética no setor marítimo, 12% dos navios construídos já utilizam fontes alternativas.

Os navios que operam em curtas distâncias têm mais opções de acomodar fontes de energia alternativas

Um avanço parcial e gradual

As grandes travessias marítimas que sustentam a rede logística internacional têm a dificuldade do tempo e do espaço disponível a bordo para implementar sistemas elétricos. Os navios que operam em curtas distâncias têm mais opções de acomodar fontes de energia alternativas que muitas vezes servem de teste e estudo para as tecnologias que mudarão o setor. De fato, e como indica o relatório DNV, “para esses navios, as distâncias e as demandas de energia variável tornam esses sistemas de propulsão elétrica ou híbrida mais eficientes do que as mecânicas tradicionais”.

Exemplos comerciais de embarcações elétricas estão, portanto, limitados a distâncias curtas, mas não necessariamente a navios de pequeno porte. Dessa forma, podemos ver exemplos como o Yara Birkeland, o primeiro navio cargueiro estritamente elétrico, desenvolvido por uma empresa norueguesa. Esse navio de grande porte, com 80 metros de comprimento, mais de 3.000 toneladas e capacidade de carga de 120 TEUs, eliminará 40.000 viagens de caminhões movidos a diesel por ano e reduzirá as emissões de óxido de nitrogênio e hidrogênio de carbono por meio do transporte. Embora seu objetivo seja a navegação autônoma para o transporte de contêineres, desde sua inauguração na primavera de 2022, ele está em transição gradual de liberação da tripulação.

Outra opção são os biocombustíveis, embora sejam muito mais caros e ainda não estejam ao alcance de todos os mercados

Também no Japão houve viagens bem-sucedidas de navios elétricos, como o E5 da empresa Asahi Tanker, que foi inaugurado no final de 2021. Com mais de 60 metros de comprimento e 499 toneladas de peso, ele é responsável pelo transporte de combustível e materiais essenciais para outros navios dentro da Baía de Tóquio. Com a redução de ruídos e vibrações normalmente geradas pelos navios, a poluição sonora foi significativamente atenuada.

A barreira da capacidade de armazenamento para embarcar em águas profundas limita a maioria dos navios ao uso de gás natural liquefeito (GNL) ou gás liquefeito de petróleo (GLP), que não são neutros em carbono. Outra opção são os biocombustíveis, embora sejam muito mais caros e ainda não estejam ao alcance de todos os mercados.

O setor naval está sujeito a um acordo internacional que o incentiva ao uso de combustíveis renováveis e baixos em carbono

A transição inevitável

A descarbonização do setor naval é um caminho sem volta, impulsionada por regulamentações cada vez mais rigorosas. Dentro do pacote de objetivos definidos pela União Europeia, “Fit for 55”, o setor naval está sujeito a um acordo internacional que o incentiva ao uso de combustíveis renováveis e baixos em carbono. O objetivo é reduzir progressivamente as emissões a partir de 2025, regulamentação aplicada aos navios com mais de 5.000 toneladas, responsáveis por 90% das emissões de CO2 de todo o planeta.

Embora o compromisso seja inevitável, o roteiro tem como base os veículos híbridos que aliam a energia elétrica à utilização de biocombustíveis renováveis ou de fontes limpas. Desta forma, encaixam-se os desafios da eletrificação como sistemas de armazenamento para uso em longo prazo ou a eficiência na movimentação de suas infraestruturas geradoras. Com todas as linhas de inovação abertas e um compromisso comum para alcançar o sucesso de reduzir o impacto da atividade, o futuro da descarbonização do transporte marítimo parece fundamentar-se na sinergia de setores e na complementação de energias ecologicamente corretas.

donwload pdf
Resumo de quinta-feira – Jornadas Internacionais XXIX

Resumo de quinta-feira – Jornadas Internacionais XXIX

Quinta-feira, 6 de junho Eduardo Pérez de Lema, presidente da MAPFRE Global Risks, recebeu centenas de participantes que lotaram o grande auditório FYCMA em Málaga, cidade anfitriã das Jornadas Internacionais da empresa em seu décimo quinto aniversário. Após traçar um...

ler mais