Home > Revista Gerência de Riscos e Seguros > Entrevistas > Novembro será o momento decisivo para avaliar a autossuficiência energética da Europa

Novembro será o momento decisivo para avaliar a autossuficiência energética da Europa

No dia 24 de junho, na XXVIII Jornada Internacional Global Risks da MAPFRE, Ignacio Torreblanca, pesquisador chefe e diretor do escritório em Madri do Conselho Europeu de Relações Exteriores (European Council on Foreign Relations, ECFR) deu uma palestra na qual explicou a situação geopolítica atual.

Na opinião dele, a pandemia que nos trouxe a COVID-19, somado ao conflito Rússia–Ucrânia, gerou três tendências:

  1. Transição do poder global, do ponto de vista político, entre EUA e China, o que supõe a acomodação dos demais países.
  2. Aumento do protecionismo devido à fragmentação da ordem econômica liberal internacional.
  3. Fragilização das democracias, pela pressão que exercem estados e potências autoritárias.

Ao somar estes três aspectos, segundo Torreblanca, nos deparamos com uma ordem liberal baseada em regras muito fragilizadas. É por isso que nos voltamos à política de poder, às esferas de influência, e essa transição de poder nos EUA marca uma tendência importante.

A questão que se propõe na Europa é: até que ponto somos capazes de engatar um modelo de crescimento econômico e tecnológico que responda a todas essas preocupações ao mesmo tempo?

Por outro lado, a guerra nos mostrou que somos enormes consumidores de segurança e de energia e, nos próximos anos, teremos um aumento tanto nos orçamentos em defesa como nos relacionados com o desenvolvimento tecnológico. Diante disso, surgem duas questões importantes: Como serão financiados os investimentos em defesa? Estes investimentos são sustentáveis?

Segundo o pesquisador, é necessário desenvolver programas de autonomia estratégica em defesa e em energia. Ele levanta a seguinte questão: “Como vamos concluir essa transição energética em um cenário geopolítico como o que estamos vivendo, no qual estamos voltando ao carvão e nos tornando mais dependentes de combustíveis fósseis?”

Do ponto de vista da União Europeia, o fato de todos advogarem pela autossuficiência leva de um mundo mais fragmentado, no qual é mais difícil operar, ao migrar de um mundo baseado em regras para um mundo baseado no poder.

 

Compartilhamos esta entrevista na qual ele nos explica em mais detalhes essas questões.

donwload pdf
Resumo de quinta-feira – Jornadas Internacionais XXIX

Resumo de quinta-feira – Jornadas Internacionais XXIX

Quinta-feira, 6 de junho Eduardo Pérez de Lema, presidente da MAPFRE Global Risks, recebeu centenas de participantes que lotaram o grande auditório FYCMA em Málaga, cidade anfitriã das Jornadas Internacionais da empresa em seu décimo quinto aniversário. Após traçar um...

ler mais