Inicio > Revista Gerência de Riscos e Seguros > Entrevistas > Novembro será o momento decisivo para avaliar a autossuficiência energética da Europa

Novembro será o momento decisivo para avaliar a autossuficiência energética da Europa

No dia 24 de junho, na XXVIII Jornada Internacional Global Risks da MAPFRE, Ignacio Torreblanca, pesquisador chefe e diretor do escritório em Madri do Conselho Europeu de Relações Exteriores (European Council on Foreign Relations, ECFR) deu uma palestra na qual explicou a situação geopolítica atual.

Na opinião dele, a pandemia que nos trouxe a COVID-19, somado ao conflito Rússia–Ucrânia, gerou três tendências:

  1. Transição do poder global, do ponto de vista político, entre EUA e China, o que supõe a acomodação dos demais países.
  2. Aumento do protecionismo devido à fragmentação da ordem econômica liberal internacional.
  3. Fragilização das democracias, pela pressão que exercem estados e potências autoritárias.

Ao somar estes três aspectos, segundo Torreblanca, nos deparamos com uma ordem liberal baseada em regras muito fragilizadas. É por isso que nos voltamos à política de poder, às esferas de influência, e essa transição de poder nos EUA marca uma tendência importante.

A questão que se propõe na Europa é: até que ponto somos capazes de engatar um modelo de crescimento econômico e tecnológico que responda a todas essas preocupações ao mesmo tempo?

Por outro lado, a guerra nos mostrou que somos enormes consumidores de segurança e de energia e, nos próximos anos, teremos um aumento tanto nos orçamentos em defesa como nos relacionados com o desenvolvimento tecnológico. Diante disso, surgem duas questões importantes: Como serão financiados os investimentos em defesa? Estes investimentos são sustentáveis?

Segundo o pesquisador, é necessário desenvolver programas de autonomia estratégica em defesa e em energia. Ele levanta a seguinte questão: “Como vamos concluir essa transição energética em um cenário geopolítico como o que estamos vivendo, no qual estamos voltando ao carvão e nos tornando mais dependentes de combustíveis fósseis?”

Do ponto de vista da União Europeia, o fato de todos advogarem pela autossuficiência leva de um mundo mais fragmentado, no qual é mais difícil operar, ao migrar de um mundo baseado em regras para um mundo baseado no poder.

 

Compartilhamos esta entrevista na qual ele nos explica em mais detalhes essas questões.

donwload pdf
Nicarágua: perspectivas econômicas e comerciais

Nicarágua: perspectivas econômicas e comerciais

Com perspectivas de estabilidade econômica, muito marcadas pelo consumo privado, e com o objetivo de continuar ampliando seu comércio e projeção internacional, a Nicarágua enfrenta o desafio de consolidar seu programa de energia renovável e continuar criando emprego...

ler mais
Lições aprendidas com o derramamento de pellets

Lições aprendidas com o derramamento de pellets

Passaram-se dois meses desde o derramamento de pellets em praias espanholas e, enquanto os trabalhos de limpeza continuam, as consequências legais e o impacto na regulamentação internacional são alvo de debate no setor de transporte marítimo. O recente despejo de...

ler mais
O subscritor de riscos, o que você sabe?

O subscritor de riscos, o que você sabe?

Existe um profissional que se ocupa de avaliar os riscos de um seguro, buscando o equilíbrio entre garantir as necessidades do cliente e a rentabilidade do negócio. É o subscritor de riscos, uma função em alta no ambiente digital. Mas, o que há por trás do processo de...

ler mais