Home > Revista Gerência de Riscos e Seguros > Notícias > Mercado segurador, evolução e perspectivas sobre novos riscos e sustentabilidade
Mesa Redonda Mercado Asegurador_JM Inchausti

Mercado segurador, evolução e perspectivas sobre novos riscos e sustentabilidade

O comportamento mais que notável dos seguros durante a pandemia, a necessidade de transformar os modelos de negócios, os déficits e lacunas de cobertura (nos quais a colaboração público-privada poderia ajudar), o poder do cliente nas empresas e a ameaça dos riscos cibernéticos. Essas foram algumas das questões que surgiram durante o debate na mesa-redonda sobre “Perspectivas do mercado segurador”, realizada na Conferência Internacional MAPFRE GLOBAL RISKS.

A reunião foi moderada por José Manuel Inchausti, terceiro vice-presidente da MAPFRE e CEO da MAPFRE IBERIA. Participaram como palestrantes: Pilar González de Frutos, presidente da UNESPA; José Antonio Sánchez Herrero, diretor-geral do ICEA; e Ricardo González García, diretor de Análise, Estudos Setoriais e Regulação da MAPFRE Economics.

O compromisso com a sustentabilidade, as mudanças ocasionadas pela pandemia (tanto econômicas como socioculturais), a invasão da Ucrânia pela Rússia e, consequentemente, a exacerbação dos fenômenos inflacionários e a ruptura das cadeias de abastecimento, somados aos crescentes riscos de ciberataques, entre outros elementos, mostram um panorama “no qual o posto de gerente de riscos, que nunca foi fácil, é ainda mais complexo”, disse inicialmente José Manuel Inchausti.

Um desempenho mais do que notável

A pandemia marcou o roteiro durante os exercícios de 2020 e 2021 e o setor segurador esteve à altura. Para Pilar González de Frutos, “o comportamento do setor durante esse episódio foi mais do que notável” e deu como exemplo o setor de seguros, que presta serviços residenciais, em um momento em que estava sujeito a uma utilização superior ao habitual e a adaptação dos seguros de saúde, aproveitando a oportunidade para desenvolver a telemedicina rapidamente.

Outro exemplo de seu lado mais social foi a decisão de não negar assistência e cobertura a muitos segurados, apesar da exclusão de cobertura, compromisso que começou na ramificação da saúde e continuou no de vida, falecimentos, etc. Para Pilar González de Frutos, “devemos continuar conscientizando os cidadãos sobre o que isso significou, porque não tínhamos informações suficientes para garantir o risco que estávamos assumindo com essas decisões”. Ela também destacou o compromisso de fazer todo o possível para que a rede de prestação de serviços de seguros, a mais importante no nosso país, se mantivesse. “Cada entidade, na medida do seu modelo de negócio, lançou ações para ajudar os fornecedores: desde a previsão de faturamento até o auxílio financeiro”.

O setor também mostrou seu compromisso social ao lançar um fundo de 38 milhões de euros durante a pandemia, financiado por 107 empresas de seguros, para dar cobertura em caso de morte e hospitalização a funcionários que trabalham na saúde pública ou privada e em asilos para idosos ou deficientes. O restante está contribuindo para pesquisas sobre a Covid-19 e para ajudar grupos vulneráveis.

 

Transformação do setor diante dos desafios

O setor segurador está caminhando na direção certa, disse José Antonio Sánchez Herrero. “Durante estes dois anos, se compararmos 2021 com o ano pré-pandemia, vemos que conseguimos manter seus sinais vitais, tanto do ponto de vista da rentabilidade como, sobretudo, da solvência”. Isso demonstra sua capacidade de gestão, com a qual superou inúmeras crises.

Em sua opinião, a pandemia reforçou a janela de oportunidade para o setor daqui para frente. “As pessoas perceberam o quanto é importante ter um seguro e não há dúvidas sobre o potencial crescimento da demanda por seguradoras, porque há uma tendência de que a sociedade tenha mais incertezas, que haja mais desigualdade, aumentando o interesse em se tornar segurado”.

Para José Antonio Sánchez, “somos um setor que ainda não sofreu um processo disruptivo severo, como já aconteceu com outros, e teremos tempo para nos adaptar”. Ele aposta na transformação das organizações para aproveitar todas as oportunidades. “Estamos caminhando para uma nova realidade, um novo cenário competitivo ao qual teremos que nos adaptar para que o modelo de negócios que temos agora e que nos trouxe até aqui possa continuar nos conduzindo de forma positiva ao longo do tempo”.

 

O poder do cliente e a conquista do talento

O impacto do cliente no setor segurador, como em qualquer outro, é muito grande. Para José Antonio, “o poder que as empresas já tiveram foi transferido para o cliente”. Mas, além disso, a pandemia produziu uma mudança radical em seu comportamento, cada vez mais digital. “É verdade que no setor segurador esse processo é mais lento, mas ele virá”.

Ele destacou que os novos concorrentes farão com que a vantagem competitiva, tradicionalmente pautada em ter um produto, seja transferida para dados e conhecimento do cliente. Em suma, “é necessário ter uma estratégia voltada para o cliente, oferecendo-lhe uma experiência única”. Isso também significa que, “além da cobertura puramente seguradora, é preciso construir uma série de serviços que, em muitos casos, serão prestados até mesmo por empresas que não são do nosso setor. Precisamos mudar um pouco a nossa forma de pensar e passar para uma estratégia colaborativa”.

Quanto à conquista do talento, José Antonio Sánchez optou por “nos vendermos melhor, porque temos uma grande realidade, mas às vezes a percepção sobre nós não é a mais correta”. No novo ambiente competitivo, “o que precisamos são culturas organizacionais diferentes, muito mais ágeis. O sucesso virá para quem tiver a melhor capacidade de adaptação”. Ele acrescentou: “precisamos ter uma certa cultura de inovação e mudar nosso estilo de liderança. O que as novas gerações procuram são projetos e organizações que deem sentido às suas vidas. Nosso setor tem muito a fazer sobre isso”.

 

Reação das empresas

Mas qual é a reação das empresas ao risco na situação atual? Em princípio, para Ricardo González, “tanto as grandes quanto as pequenas empresas sempre tendem a proteger suas margens. Eles não querem surpresas em suas contas de resultados. A ideia é gerenciar esses riscos internamente, se possível, porque há capacidade e meios suficientes para isso. Caso contrário, procurar cobertura externa, se houver, a um preço razoável”.

Com tudo o que está acontecendo, a MAPFRE Economics observa um aumento na demanda por cobertura por parte das empresas e um endurecimento do mercado. “Para dar um exemplo, nos primeiros cinco meses deste ano, em relação ao nível de prêmios pré-pandemia em 2019, os riscos aumentaram 25,3%; a responsabilidade civil, 16,5%. Tudo isso estimulou muito a busca por cobertura por parte das empresas.”

 

Colaboração público-privada

Não são apenas as novas ameaças que estão surgindo. Os riscos já conhecidos, em muitos casos, estão aumentando em frequência e intensidade de danos. Tudo isso, segundo Pilar González de Frutos, “está gerando desafios reais de cobertura e lacunas em muitas jurisdições”.

A colaboração público-privada é eficaz para resolver essas lacunas de cobertura. De fato, a Espanha tem dois sistemas nesse âmbito que, segundo González de Frutos, “funcionam e nos ajudam muito a estabilizar o mercado, para poder conceder proteção”. Trata-se do papel do Consórcio de Compensação de Seguros em catástrofes e do modelo de cobertura para os seguros agrícolas.

A presidente da UNESPA insistiu ainda que “é o momento certo para analisar se essas soluções e, especificamente, a cobertura do Consórcio pode evoluir face à frequência e intensidade dos fenômenos derivados das mudanças climáticas”. Ela também reconheceu que “nos novos riscos, como os cibernéticos, podemos conceder algumas coberturas, mas não a cobertura total, pois não sabemos avaliar até onde chegaria, e isso não seria possível sem essa participação pública e privada”.

 

Risco cibernético, a principal preocupação

Essa ameaça tornou-se a principal preocupação dos gerentes de riscos. De acordo com os dados da MAPFRE Economics, os prêmios de seguros mundiais que cobrem esses riscos podem chegar a cerca de 100 bilhões de dólares, um valor que parece enorme, mas quando comparado aos 6,4 trilhões de dólares do valor global de faturamento, representa apenas cerca de 1,5%. “Há uma lacuna de cobertura muito grande”, disse Ricardo González.

Entre os desafios para o setor de seguros, ele destacou o nível de sofisticação que os ataques de hackers atingiram, o aumento da frequência e, principalmente, a falta de dados suficientes para fazer uma boa classificação e construir modelos robustos que tentem modelar os ataques mais graves.

  

Sobre a regulamentação da sustentabilidade

Outra questão preocupante é o excesso de regulamentação em termos de sustentabilidade. Na opinião de Pilar González de Frutos, “se existe um setor em que a sustentabilidade faz sentido, é no setor segurador, porque está no nosso DNA. Cada vez que surge um novo risco, ele aumenta sua capacidade como gestor de medidas de prevenção, com a importância que isso tem não só para evitar danos, mas também para conscientizar a população em geral”.

As iniciativas regulatórias sobre sustentabilidade são enormes no âmbito europeu. “Estamos com muitas obrigações neste momento, como as de divulgação, que devemos cumprir, sem um padrão específico para saber se o que estamos fazendo é realmente o que devemos ou o que nos foi pedido”, concluiu.

donwload pdf
Resumo de quinta-feira – Jornadas Internacionais XXIX

Resumo de quinta-feira – Jornadas Internacionais XXIX

Quinta-feira, 6 de junho Eduardo Pérez de Lema, presidente da MAPFRE Global Risks, recebeu centenas de participantes que lotaram o grande auditório FYCMA em Málaga, cidade anfitriã das Jornadas Internacionais da empresa em seu décimo quinto aniversário. Após traçar um...

ler mais