Inicio > Revista Gerência de Riscos e Seguros > Estudos > Panorama do setor segurador equatoriano de Grandes Riscos
Imagen-Portada933x526

Panorama do setor segurador equatoriano de Grandes Riscos

Raphael Bauer de Lima CEO MAPFRE ATLAS Ecuador

Raphael Bauer de Lima, CEO MAPFRE ATLAS Equador, apresenta a situação atual do mercado equatoriano de seguros e compartilha suas impressões sobre as perspectivas e o potencial de crescimento relativo ao setor de Grandes Riscos no país.

O setor segurador equatoriano

O mercado equatoriano é extremamente competitivo. Com tão-somente 1.696 milhões de dólares em prêmios líquidos emitidos nominais acumulados em 2020, 30 companhias seguradoras concorrem com ele. Uma redução de 5,65%, em comparação com 2019, e uma participação de 1,75% do PIB NOMINAL (que somente melhora porque o PIB caiu 8,8%). Se analisarmos o montante total de prêmios, percebemos que não é um mercado concentrado. Porém, se considerarmos cada ramificação como mercado independente, observa-se que os prêmios emitidos em cada um deles são distribuídos entre poucos atores. O mesmo acontece com os brokers que, somando os 14 primeiros, supera-se a parcela em 50%.

Como particularidade, mencionar que 47% dos prêmios do mercado se originam em bancasseguros, o que assinala a existência de um interesse e desenvolvimento muito destacado pelo segmento de pessoas.

Após dois anos de contração (2015 e 2016), em 2017 e 2018 o setor segurador evidenciou uma melhoria em seus níveis de crescimento com 0,8% e 3,6% respectivamente.  No entanto, se analisarmos os últimos 6 anos, observaremos que pouca coisa mudou.

Em 2014, o volume de prêmios líquido era de 1.703 milhões de dólares. Em 2019, alcançava 1.794 milhões de dólares, que representava 5,5% de crescimento respeito do prêmio líquido de 5 anos atrás. Com o volume de 2020 em 1.696 milhões, é 0,41% menos que há 6 anos atrás.

O mercado de Grandes Riscos no Equador

 

Há 12 anos, a MAPFRE entrou no mercado equatoriano com a compra da participação acionária de ATLAS, entidade que conta entre seus sócios com importantes grupos empresariais , como o Grupo Villaseca. Com essa fusão foi criada a MAPFRE ATLAS, companhia que, considerando o histórico de ambas as corporações, totaliza 35 anos de trajetória.

A partir de sua entrada no Equador, a MAPFRE focou no segmento empresarial, com o oferecimento de cobertura para grandes indústrias e comércios do país, liderando os mercados de Seguros de Propriedade, Ramificações Técnicas e Responsabilidade Civil. Esta especialização teve sua incidência no reconhecimento da revista Merco, como a Seguradora com a melhor reputação corporativa no Equador em 2020.

Na hora de avaliar o potencial do país neste segmento, observamos o censo de 2018 com mais de 899 mil empresas. Em muitas delas, a MAPFRE dividiu seu portfólio de serviços através de uma equipe próxima e experiente, tanto em linhas de seguro para ativos (multirrisco, ramificações técnicas, etc.) como em coberturas de suporte para a operação de nossos clientes em sua dinâmica de negócios, como por exemplo transporte de exportação, crédito, responsabilidade civil de produtos, etc. Depois, na seção de infraestrutura e grandes corporações, oferecemos capacidade de assinatura e conhecimento para o mercado a partir de nossa unidade de negócios Global Risks.

“Em conjunto com a MAPFRE Global Risks, a MAPFRE RE, nossa resseguradora, e SOLUNION, seguradora de crédito do grupo em parceria com EULER HERMES, representamos uma excelente opção para a gestão dos riscos nas”

 

O mercado de Grandes Riscos no Equador

 

Há 12 anos, a MAPFRE entrou no mercado equatoriano com a compra da participação acionária de ATLAS, entidade que conta entre seus sócios com importantes grupos empresariais , como o Grupo Villaseca. Com essa fusão foi criada a MAPFRE ATLAS, companhia que, considerando o histórico de ambas as corporações, totaliza 35 anos de trajetória.

 

A partir de sua entrada no Equador, a MAPFRE focou no segmento empresarial, com o oferecimento de cobertura para grandes indústrias e comércios do país, liderando os mercados de Seguros de Propriedade, Ramificações Técnicas e Responsabilidade Civil. Esta especialização teve sua incidência no reconhecimento da revista Merco, como a Seguradora com a melhor reputação corporativa no Equador em 2020.

 

Na hora de avaliar o potencial do país neste segmento, observamos o censo de 2018 com mais de 899 mil empresas. Em muitas delas, a MAPFRE dividiu seu portfólio de serviços através de uma equipe próxima e experiente, tanto em linhas de seguro para ativos (multirrisco, ramificações técnicas, etc.) como em coberturas de suporte para a operação de nossos clientes em sua dinâmica de negócios, como por exemplo transporte de exportação, crédito, responsabilidade civil de produtos, etc. Depois, na seção de infraestrutura e grandes corporações, oferecemos capacidade de assinatura e conhecimento para o mercado a partir de nossa unidade de negócios Global Risks.

 

Juntamente com a MAPFRE Global Risks, a MAPFRE RE, nossa resseguradora, e SOLUNION, seguradora de crédito do grupo em parceria com EULER HERMES, representamos uma excelente opção para a gestão dos riscos nas empresas.

 

Os setores com maiores volumes no negócio de Grandes Riscos no Equador são os de exploração e de exploração petroleira. Também apresenta valores relevantes e bastante movimentação o setor da mineração, bem como o de Energy, a linha mais desenvolvida em contas globais. A estas ramificações se seguem as de especialidade, como construção e montagem, marítimo e aviação.  Nesta última, é preciso indicar que, embora o mercado tenha diminuído em 3,22%, a MAPFRE cresceu em 18.5%.

 

Por outro lado, a política econômica do novo governo (2021 – 2025), que esperamos seja de abertura para o investimento estrangeiro direto e indireto, pode marcar um ponto de quebra para riscos de infraestrutura (especialmente de transporte), agricultura e serviços.

 

Entendemos como desafio a redução das barreiras fiscais que exigem cargas muito altas para as transações de resseguro e que afetam de maneira direta os esquemas de riscos globais in bound. Com o acordo de dupla tributação com a Espanha, para a MAPFRE é um benefício.

 

Ainda, o mercado demanda resseguro facultativo, em que a particularidade dos riscos segurados faz com que, às vezes, a capacidade do mercado diminua e existam dificuldades para conseguir termos ótimos. A este contexto se soma o da situação geral de crise. Por isso, a experiência e a capacidade da MAPFRE em Riscos Globais devem ser percebidas como uma boa opção para os segurados para encontrar uma seguradora que os apoie a longo prazo e que ofereça valor agregado, com o da assessoria na gestão de seus riscos.

 

O desafio é conseguir que o mercado equatoriano possa valorizar a estabilidade que podem conseguir com um sócio como a MAPFRE, bem como a capacidade de resposta do Grupo na região apoiando nossos clientes perante diferentes eventos catastróficos. E assim poder superar o que, em algumas oportunidades, foram estratégias de curto prazo na hora de contratar programas de seguros, estratégias que finalmente se tornaram um problema futuro para grandes companhias, por terem de enfrentar posteriores mudanças imprevistas e prejudiciais nas políticas de assinatura, preço, condições, etc.

Raphael Bauer de Lima, CEO MAPFRE ATLAS Equador

Raphael Bauer de Lima é Máster em MBA Executivo em Marketing Estratégico e MBA em Gestão Empresarial (PDD-MAPFRE), Certificado internacional RIMAP (Risk Management Profesional) outorgado por FERMA (Federation of European Risk Management Associations).   Iniciou sua trajetória profissional na MAPFRE no ano 2000 no Brasil, país em que ocupou o cargo de diretor comercial. Desde 2014, continua com sua carreira profissional na Espanha, ocupando diferentes cargos de responsabilidade, com destaque para o de diretor comercial do negócio de Empresas da MAPFRE ESPAÑA ou como diretor de gestão e suporte do canal corretores da MAPFRE ESPAÑA. A partir de janeiro de 2020, atua como CEO da MAPFREA ATLAS no Equador.

donwload pdf
Travessia para um futuro sustentável: as cadeias de suprimento

Travessia para um futuro sustentável: as cadeias de suprimento

A transição energética está mudando os paradigmas das cadeias de suprimento em todo o mundo. Desde a reestruturação de modelos energéticos até reajustes nas estratégias logísticas, essa evolução apresenta grandes desafios e oportunidades para o setor. Essa revolução...

ler mais
Honduras: perspectivas econômicas e comerciais

Honduras: perspectivas econômicas e comerciais

Honduras está imersa em um plano de ação para promover um crescimento econômico sustentável que impacte positivamente seus compromissos com a cidadania, a melhoria de infraestruturas estratégicas e o aumento da resiliência à mudança climática. O desenvolvimento...

ler mais
Semicondutores: o caminho da transformação digital

Semicondutores: o caminho da transformação digital

Seu nome comum esconde componentes essenciais para o desenvolvimento das tecnologias que estão mudando o rumo da história. Enquanto as potências mundiais lutam para levar a indústria ao seu território, o Panamá possui a infraestrutura para se tornar referência no...

ler mais