Inicio > Revista Gerência de Riscos e Seguros > Estudos > Gestão de resíduos no setor eólico
Sector eólico

Gestão de resíduos no setor eólico

O crescimento exponencial das energias renováveis trouxe um novo desafio: como gerir os resíduos gerados por estas fontes. O setor eólico vem dando passos nessa direção há algum tempo. De fato, é viável reciclar cerca de 85% do peso dos componentes dos aerogeradores. As indústrias eólicas espanholas e europeias comprometeram-se a reutilizar, reciclar ou recuperar 100% das pás desmontadas até 2025, o maior desafio. Conversamos sobre a situação e os projetos com Tomás Romagosa, diretor técnico da Associação Empresarial de Energia Eólica (AEE).

Nos últimos anos, o setor eólico espanhol manteve uma tendência crescente em termos de instalação de nova potência e participação no mix de geração. De fato, se em 2020 a energia do vento representava a tecnologia com maior potência instalada, em 2021 tornou-se a principal fonte do mix energético espanhol. Olhando para os próximos anos, e conforme estabelecido pelo Plano Nacional de Energia e Clima (PNIEC), a energia eólica continuará avançando, com o objetivo de atingir 50 GW em 2030, contra 28 GW instalados no início de 2022.

Paralelamente, a primeira geração de aerogeradores está chegando ao fim de sua vida operacional. Conforme revela Tomás Romagosa, diretor técnico da AEE, “nos próximos anos, muitos parques eólicos terão que optar entre prolongar a vida útil dos seus ativos ou proceder à repotenciação para substituir os antigos aerogeradores por outros mais modernos”.

 

Viabilidade da reciclagem

Existem 1.298 parques eólicos na Espanha atualmente, em mais de 800 municípios com 21.574 aerogeradores (AEE, 2021), dos quais cerca de 36% têm mais de 15 anos, pois foram instalados antes de 2005.

Considerando que a vida útil do projeto de um parque eólico e seus componentes é de 20 anos, muitas dessas estruturas podem ser desinstaladas nos próximos anos, embora apenas as mais antigas sejam descartadas ao final desse período, já que a tendência natural é o prolongamento da vida útil dos parques eólicos.

Isso porque, “na maioria dos casos, observa-se que quando os aerogeradores atingem sua vida útil ainda estão em boas condições. Por isso, é comum estender a operação dos parques eólicos para 25 ou 30 anos, mantendo as condições operacionais e de segurança”, destaca o representante da AEE.

Segundo dados desta associação, hoje é viável reciclar ou reutilizar entre 85% e 90% do peso de um aerogerador. “A maioria dos grandes componentes (fundações, torre, gôndola) tem processos para sua reciclagem ou reaproveitamento, pois são feitos de materiais como aço, cobre, alumínio ou concreto. A prática de utilizar muitos dos componentes como peças de reposição é comum no setor”, acrescenta Romagosa.

 

Uma prioridade: as pás

O mesmo não acontece com as pás dos aerogeradores, que representam um desafio maior para sua reciclagem por serem fabricados com materiais compostos, difíceis de separar e complicados de reciclar. Para o especialista, o impacto dos resíduos desses elementos não oferece nenhum risco.

Como exemplo, Romagosa cita que “o peso de todas as pás previstas para serem desmontadas anualmente representa apenas 1,4% do peso total dos recipientes de plástico que não são reciclados na Espanha ao final do ano. Além disso, elas não são tóxicas e não produzem lixiviados que possam ser prejudiciais ao meio ambiente”.

Ele também reconhece que “as pás dos aerogeradores são resíduos muito volumosos, cuja gestão ainda não está totalmente resolvida comercialmente. Por isso, a implementação de medidas de economia circular é uma prioridade para o setor eólico, com o objetivo de reduzir sua pegada ecológica e promover a sustentabilidade”.

 

Gestão no setor

Até o momento, a tendência natural do mercado espanhol tem sido prolongar a vida útil para além dos vinte anos inicialmente previstos, a alternativa de menor risco para o promotor. Os elevados investimentos necessários para a repotenciação (o equivalente a praticamente 100% do investimento necessário para um novo parque eólico), tornou essa opção meramente comprobatória.

Em 31 de dezembro de 2021, na Espanha, apenas 11 parques eólicos haviam sido repotenciados e os aerogeradores desmontados destinavam-se principalmente a mercados de segunda mão. Aliás, o diretor técnico da AEE revela: “Algumas empresas espanholas são pioneiras na geração de mercados de segunda mão em escala global, com leilões específicos que permitem aos proprietários de parques eólicos a venda de ativos eólicos desmontados, seja para reinstalação em outros locais ou para revenda.”

Em outras palavras, na Espanha, as pás dos parques eólicos repotenciados até à data não precisaram ser transferidas para aterros, mas sim absorvidas por estes mercados de segunda mão.

 

 Principais desafios

Isso parece que ocorrerá no futuro por dois motivos principais: “A tendência de prolongar a vida útil para além dos 20 anos de operação não pode ser prolongada indefinidamente. E o efeito das linhas de auxílio à repotenciação de parques eólicos recentemente anunciados, ligados ao Plano de Recuperação, Transformação e Resiliência”, opina Romagosa. “Nos próximos anos”, acrescenta, “o setor deverá gerir uma média de 20.000 toneladas de pás a serem desmontadas por ano, para as quais terão de ser procuradas soluções de reutilização ou reciclagem”, diz Romagosa.

Outra desvantagem é que “as tecnologias disponíveis para a reciclagem de pás eólicas ainda não estão totalmente desenvolvidas em escala comercial” e, a partir da indústria eólica, destacam a necessidade de evoluir para serem mais rentáveis ​​e obterem subprodutos de melhor qualidade, já que apresentam uma alta margem de otimização.

Somando-se a isso, na Espanha ainda não existem usinas industriais com capacidade suficiente para tratar volumes significativos de materiais compostos, além de projetos-piloto experimentais; e altos investimentos são necessários para garantir a gestão sustentável dos resíduos em todo o processo.

Por todas estas razões, “a partir do setor eólico, considera-se essencial continuar promovendo atividades de pesquisa, desenvolvimento e inovação para melhorar as tecnologias de reciclagem de materiais compostos, bem como promover investimentos para o desenvolvimento do mercado e das capacidades industriais”.

 

Agentes envolvidos

Os proprietários de parques eólicos, fabricantes de aerogeradores, centros tecnológicos e universidades vêm desenvolvendo, há algum tempo, uma infinidade de projetos focados no ecodesign das pás, na otimização das tecnologias de reciclagem existentes e na implementação de novas capacidades industriais para o processamento desse tipo de lixo.

Com referência à Administração, também há esforços para encontrar soluções. Assim, no Plano de Recuperação, Transformação e Resiliência (PRTR) estão incluídas medidas para fomentar o impulso da economia circular nacionalmente. Por exemplo: no final de 2021, foi aprovado o PERTE (Projetos Estratégicos para a Recuperação e Transformação Econômica) de Energias Renováveis, Hidrogênio Renovável e Armazenamento (ERHA), cuja terceira medida visa repotenciar parques eólicos condicionados ao uso de tecnologias ou sistemas de reciclagem de pás eólicas.

No início de 2022, publicou-se também o PERTE de Economia Circular, que inclui, dentro dos objetivos para o setor eólico, o impulsionamento de medidas de ecodesign, permitindo prolongar a vida útil das pás e melhorar sua reciclabilidade, assim como a busca de alternativas para equipamentos descartados de parques eólicos, que podem ter uma segunda vida com outros usos (como mobiliário urbano, barreiras acústicas em rodovias ou ferrovias, reservatórios de água, torres de telecomunicações ou transmissão de energia elétrica, atenuadores de ondas em áreas litorâneas, tetos de navios e casas etc.).

 

Projetos de economia circular

Em junho de 2021, as indústrias eólicas espanholas e europeias assumiram que, até 2025, seria possível reutilizar, reciclar ou recuperar 100% das pás desmontadas, evitando assim a sua remoção para aterros.

O crescente interesse do setor eólico pela economia circular manifesta-se no número de projetos de usinas de reciclagem de pás de aerogerador que serão executados em breve. O objetivo dessas iniciativas será a recuperação de materiais das pás dos aerogeradores e sua reutilização em diversos setores e indústrias.

Entre os anúncios públicos estão:

  • O consórcio formado por Endesa, LM Wind Power e PreZero. O projeto contará com um investimento aproximado de 8,5 milhões de euros em uma nova usina em Cubillos do Sil (León), que estará operacional em 2024, com a qual se espera poder processar 6.000 toneladas/ano.
  • A Iberdrola, juntamente com a FCC Ámbito, instalará também uma central de reciclagem de lâminas em Navarra com um investimento de 10 milhões de euros. A iniciativa também terá o apoio da Siemens Gamesa.
  • Naturgy e Ruralia lançarão uma usina-piloto para reciclagem integral de parques eólicos em Almazán (Soria).

 

Uma oportunidade

Em suma, para Romagosa, “a conquista da circularidade no setor eólico exige avançar na integração de diferentes atores que abrangem toda a cadeia de valor, desde a geração de resíduos, até o produto final, gerando uma rede de indústria nacional que permita a escalabilidade comercial”.

Para isso, na sua opinião, “é fundamental manter uma estreita colaboração público-privada e contar com o apoio da Administração para promover projetos de inovação e desenvolvimento de capacidades industriais”.

Sendo um dos países pioneiros na instalação de parques eólicos, a Espanha é também um dos primeiros países a enfrentar o desafio de desmontá-los. “Essa situação constitui uma grande oportunidade para a nossa indústria assumir a liderança nessa atividade e posteriormente poder exportar a tecnologia e os conhecimentos adquiridos para o resto da Europa e para o mundo, como já acontece com a exportação de aerogeradores”, destaca o diretor técnico da ESA.

 

Colaborou neste artigo:

Tomás Romagosa Cabezudo, diretor técnico da Associação Empresarial Eólica (AEE).

Engenheiro Industrial e Engenheiro Organizacional pela Universidade Pontifícia de Comillas (ICAI), Tomás Romagosa Cabezudo é diretor técnico da Associação Empresarial de Energia Eólica (AEE) desde 2017 e é responsável, entre outras, pelas atividades de Energia Eólica Offshore, Integração da Energia Eólica na Rede, Monitoramento do Mercado Elétrico, Agenda Industrial, Operação e Manutenção, Extensão de Vida de Parques Eólicos, Cibersegurança e Prevenção de Riscos Ocupacionais.

Da mesma forma, é secretário do Comitê Técnico de Normalização da UNE CTN221 de “Sistemas de Geração de Energia Eólica” e coordenador da plataforma tecnológica do setor eólico (REOLTEC), encarregado de gerenciar a administração todos os temas relacionados com inovação e P&D. Anteriormente, foi coordenador de grupo no âmbito da Gestão de Energia e Infraestruturas da empresa pública ISDEFE.

Se você achou o artigo interessante, continue lendo… “A eólica marinha está emergindo como um ator fundamental na transição energética”

donwload pdf
Travessia para um futuro sustentável: as cadeias de suprimento

Travessia para um futuro sustentável: as cadeias de suprimento

A transição energética está mudando os paradigmas das cadeias de suprimento em todo o mundo. Desde a reestruturação de modelos energéticos até reajustes nas estratégias logísticas, essa evolução apresenta grandes desafios e oportunidades para o setor. Essa revolução...

ler mais
Honduras: perspectivas econômicas e comerciais

Honduras: perspectivas econômicas e comerciais

Honduras está imersa em um plano de ação para promover um crescimento econômico sustentável que impacte positivamente seus compromissos com a cidadania, a melhoria de infraestruturas estratégicas e o aumento da resiliência à mudança climática. O desenvolvimento...

ler mais
Semicondutores: o caminho da transformação digital

Semicondutores: o caminho da transformação digital

Seu nome comum esconde componentes essenciais para o desenvolvimento das tecnologias que estão mudando o rumo da história. Enquanto as potências mundiais lutam para levar a indústria ao seu território, o Panamá possui a infraestrutura para se tornar referência no...

ler mais